Speed Racer (EUA, 2008)

Confesso que fui ao cinema ver Speed Racer com imensa má vontade em relação ao filme. Produzido e dirigido pelos irmãos Wachowski, é uma adaptação anabolizada do famoso desenho animado japonês de mesmo nome. Na verdade, Speed Racer, o desenho, não fez muito sucesso no Japão, mas se transformou num fenômeno no ocidente nos anos 70-80. Narrava as corridas disputadas por Racer na equipe de sua família, em que as leias da física eram meras coadjuvantes; a técnica era limitada, mas largamente compensada pelo carisma dos personagens.

Sou forçado a admitir que estava completamente enganado: Speed Racer é um filme incrivelmente bem produzido e divertido. Empenhados em criar um típico filme-família, os Wachowski elaboraram um roteiro simples, bem-amarrado e eficiente. Conscientes de que nada adiantava ter carros capazes de pular, lançar arpões e subir montanhas em cenários realistas, tomaram a decisão acertadíssima de encenar todo o filme num mundo absurdo, de metrópoles descomunais e corridas que se estendem por milhares de quilômetros, colorido, elétrico e que parece ter saído das pranchetas dos projetistas de Hot Wheels – dos carrinhos, não daquele desenho para a TV tão anêmico que consegue chatear todas as crianças que conheço. Talvez eu já pertença a uma geração que se acostumou aos estímulos visuais de jogos de computador (e eu praticamente não jogo coisa alguma há anos), mas as corridas não provocaram o efeito que eu esperava, ou seja, não me pareceram tão confusas assim. E são verdadeiramente empolgantes. A montagem é sempre pouco convencional; mais de uma vez vemos os personagens de perfil enquanto informações visuais importantes são apresentadas atrás deles. Nos momentos de delírio dos personagens infantis (o que inclui um chimpanzé), eles se imaginam em um animê típico, e uma luta no meio do filme é praticamente um desenho animado com atores de verdade.

Speed Racer é um piloto genial, que corre pela equipe formada por sua família, apaixonada por carros, mas que ainda sofre pela perda do seu irmão mais velho, Rex, numa prova difícil e violenta. Quando Speed é convidado a fazer parte da equipe de uma grande corporação e recusa, a família Racer passa a sofrer ameaças e pressões que podem levá-la a abandonar as pistas. Neste momento, surgem o misterioso  (pode rir) Corredor X e uma proposta para desestabilizar os poderosos donos de indústrias que decidem os resultados das corridas. É um roteiro que sabe alternar com habilidade cenas aceleradíssimas e momentos de reafirmação dos valores familiares; o fato de ele conseguir fazer isto sem soar artificial já seria admirável. Os Wachowski ainda inserem citações à série original, indetectáveis pelos mais jovens, mas percebidos pelos tios e pais com satisfação: O momento crucial em que a música-tema é tocada, a pose feita por Speed ao sair do Mach 6 (só assistindo para entender o que acontece com o Mach 5) e a sonoplastia dos saltos.

É um filme de inúmeros feitos: pela primeira vez em minha vida, a historinha paralela de um garoto e um chimpanzé criando confusões me pareceu interessante e até engraçada. É claro que o elenco, excelente, contribui para a imersão na fantasia. Emile Hirsch (Na Natureza Selvagem) como Speed, John Goodman e Susan Sarandon como Pops e Mom, Christina Ricci como Trixie e o moleque Paulie Litt no papel do Gordunho acreditam piamente em seus personagens e os tornam pessoas de carne em osso num mundo de fantasia. Num artigo escrito pelo editor e especialista em quadrinhos Jotapê, ele afirmava que a grande sacada das histórias de Frank Miller (300, Sin City) era criar personagens capazes de atos sobrehumanos, mas submetidos às mesmas paixões de todos nós, o que garantia a nossa identificação com eles, mesmo que eles vivam em mundos impossíveis. Em Speed Racer, acontece o mesmo – quando menos se espera, estamos torcendo pelo protagonista como um espectador de corridas atento ao seu piloto favorito.

Após o desastre de Matrix Revolutions, os Wachowski provam que uma boa sessão da tarde pode ser ao mesmo tempo divertida, bem feita e até inteligente.

Cotação: ****

Página no IMDB
Site oficial

Anúncios

0 Responses to “Speed Racer (EUA, 2008)”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: