Bezerra de Menezes – O Diário de Um Espírito (Brasil, 2008)

Cabe a ressalva: não sou espírita. E isso torna comentar o filme Bezerra de Menezes uma tarefa algo complicada, dadas as reações apaixonadas que o longa (Longa? Com 75 minutos apenas?) tem despertado. Os kardecistas reclamam da má vontade da crítica para com a mensagem do filme, que seria mais importante do que sua forma. Na verdade, a produção espírita dirigida pelos novatos Glauber Filho (não, nada a ver) e Joel Pimentel apenas expõe uma verdade que eu já conhecia há muito tempo: enquadramento, fotografia, qualidade de diálogos, trilha sonora, construção de personagens e etc. são aspectos secundários para a maioria esmagadora do público. O que lhe interessa é esta coisa vaga e difícil de definir chamada mensagem, cuja existência é considerada essencial por muita gente. Eu, particularmente, estou pouco me lixando para esta bizarrice: se o roteirista “quis passar uma mensagem”, e for bom cinema, é um bom filme; se for cinema ruim, é um filme ruim. Ponto. Infelizmente, Bezerra de Menezes está mais próximo deste extremo.

O filme acompanha a trajetória do médico Bezerra de Menezes (1830-1900), interpretado por Carlos Vereza, que notabilizou-se pelo cárater, inteligência e capacidade de doar tempo e bens aos que precisassem de sua ajuda. Famoso também por ter apoiado e adotado a doutrina espírita quando ela ainda engatinhava no mundo e era proibida no Brasil. Nem é preciso dizer que Menezes arriscara sua reputação com esta conversão, sincera e apaixonada.

Trajetória singular, sem dúvida, que recebeu um tratamento burocrático nas telas. Os maiores problemas estão no roteiro: a estrutura, toda baseada numa longa narrativa em off, torna o filme arrastado, pesadão, solene. A vida de Menezes transforma-se, assim, numa sucessão de eventos episódicos que parecem ter pouca ligação entre si. Na segunda metade, quando o filme se livra em boa medida destas amarras narrativas, o faz apenas para expor outra fragilidade: os diálogos pouco inspirados, longos demais, quase monólogos. O resultado, que deveria ser “quente”, retratando a generosidade de um homem íntegro, torna-se “frio”, seco, quase uma reconstituição retirada de um documentário do Discovery Channel. Não é um bom filme; apesar de incrivelmente curto, é cansativo e terá o efeito de dizer algo apenas aos simpatizantes ou praticantes do espiritismo. Apesar de boas sequências (a aparição da esposa de Bezerra, por exemplo), a estética reinante é de TV, com farta distribuição de closes no rosto dos atores.

Mas nada disso importa. Resenhas e críticas negativas são incapazes de deter o público brasileiro que, semana após semana, amplia as salas de exibição de Bezerra de Menezes. Parafraseando o ditado “Hay gobierno? Soy contra!”: “Críticas ruins? Então o filme deve ser bom!”. Brincadeiras à parte, há outros aspectos igualmente curiosos que talvez estejam passando despercebido a alguns críticos, detalhes que remetem a outro grande sucesso do cinema nacional recente, Dois Filhos de Francisco. Bezerra de Menezes investe novamente na saudade do matão do brasileiro, ao representar valores ainda frescos na memória deste país que não se enxerga urbano em pleno século XXI: o coronel, a fazenda, o filho que parte para a capital para estudar… São elementos caros a boa parte da população, tanto quanto a crença no (ou simpatia pelo) espiritismo.

Cotação: *

Página no IMDB
Site oficial

0 Responses to “Bezerra de Menezes – O Diário de Um Espírito (Brasil, 2008)”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: